Fiquem frias, mulheres: vocês detonam!

Ei, mulheres do meu Brasil… Vocês mesmas, que vivem fugindo de mim. Dessa vez não é paquera barata, convite para tomar cerveja pagando fiado ou qualquer ladainha de antes. É um papo bacana. Juro. E é o seguinte…

Não percam a feminilidade. Não percam essa malemolência, esse gingado, a tal doçura, a delicadeza que nem o Serginho, que era do Big Brother, conseguiu ter até agora. Não percam o que faz da nossa mulher, da fêmea tupiniquim, a melhor e mais invejada de todo o planeta Terra!

Não é de hoje que é aqui, neste país tropical, que se encontram as versões mais belas da complexa criatura portadora de estrogênio. Não que eu conheça a fundo as demais de outros países, mas pelas fotos de fora já deu pra sacar: vocês detonam, brazucas!

A italiana pode ter um rosto mais delicado e não engordar comendo pizza todo dia, mas nunca terá o corpo da brasileira.

A africana, além de ter um bronze superior ao de vocês, meninas daqui, tem mais peito – é verdade. Mas na combinação com a bunda vocês que saem na frente. Ou melhor, atrás.

As russas são loiras imponentes e sem usar água oxigenada, mas lhes falta o carisma da nossas garotas. Ah, e parte das nossas loirinhas aqui já animou programas infantis, algo que nunca soube rolar bem na antiga União Soviética, já que criança russa não vê TV: ela vai pro bar beber.

As americanas fazem plásticas mais convincentes, mas os atributos das gatas verde-amarelo são naturais; é tudo delas (à exceção da Angela Bismarchi, que comprou o pacotão completo mais de uma vez)!

Em resumo: nossas mulheres dão um baile nas demais, ainda que sejam muitas as qualidades das fêmeas internacionais. Beijinho no ombro, gringas!

No entanto, de uns tempos pra cá, abro revistas e vejo mulheres exibindo corpos moldados com musculação pesada e hormônio de cavalo! Na academia, onde me mato na esteira na velocidade 5 por 22 minutos e pulo todos os aparelhos que deixariam meu abdômen trincado, lá estão diversas garotas aflitas, obcecadas com medidas, levantando com as coxas o peso de nove Mama Brusqueta.

Na TV, sou bombardeado com a apologia de mulheres que deformam braços, glúteos e pernas, algumas de forma bizarra para se arrepender profundamente depois. Elas ficam com as vozes desafinadas por conta de tanta “bomba” que ingerem, tornam-se peludas por excesso de hormônio (te cuida, Tony Ramos), e podem cobrir qualquer Chuck Norris de porrada!

Essas “super-mulheres” acabam por tornar-se referência de beleza, como se o Belo (sem provocações, juro/tá, não juro) não morasse na feminilidade mais pura e absoluta.

Aí que está. E quem escreve isso é um homem heterossexual, ainda que muitos maldosos de plantão queiram promover o contrário… O homem ainda gosta mais da mulher de fábrica, da mulher feminina e delicada. Até porque nossa mulher de fábrica já é NATURALMENTE boa! Sei bem disso porque não me sobrou nenhuma, de tanto que a unanimidade masculina abraça o meu parecer…

Sou plenamente a favor da mulher altiva e dona do pedaço na essência e na vida! Sim às mulheres líderes, poderosas, presidentes (calma, tucanos – é só um exemplo), chefes, empreendedoras!

Não nos iludamos, homens… As mulheres são melhores do que a gente em tudo aquilo que se propõem a fazer. Só as vencemos no nosso “5 contra 1”, mas é porque praticamos tal arte solitária desde muito cedo. As mulheres vão dominar o mundo e nós é que cuidaremos das crianças em casa, um dia, irritados por não saber fazer mingau. Tratemos de aprender (a lição e a como fazer o tal mingau).

Mas mulheres! Pelo amor dos filhos que vocês não querem me dar! Querem ser do tipo mulherão? Que seja na vida, no mundo profissional, nas atitudes, nas posturas. Porque mulher que esmurra um hipopótamo por dia na aula de boxe é um fetiche, uma atração. Já a gata que coloca o cabelo de lado, fica vermelha com uma cantada barata, tem estria e celulite, divide um chope com o cara enquanto ele toma 12, fala fino, sabe que já é bela acima da média por ser brasileira e, principalmente, aceita o processo do tempo com sabedoria, essa sim… Essa é a mulher de verdade. Ok?

Um beijo de quem espera um recado fofo de vocês pra resultar em um dating mais tarde.

Rafa

Na foto de destaque, a atriz Sônia Braga em seus tempos áureos.

Tags: , , , , , ,

Comportamento Entre a zona e o colchão

Colega minha do trabalho enfrenta um dilema: tudo indica que sua irmã está na zona. “Prestando serviços”, ela diz, para amenizar as coisas, ou...

Comportamento Aquele vácuo não era amor

Olá, não pense que sou psicopata – talvez seja uma “semi” -, mas temos um amigo em comum. Disse ela por mensagem no facebook....

Comportamento Não sou o que era ontem

Hoje acordei diferente. Parece que tudo que fazia sentido ontem, hoje não fazia mais. Sei lá, talvez hoje eu tenha mudado algumas – uma...